segunda-feira, 23 de abril de 2007

Água mole em pedra dura

Falemos mais um pouco de surf!... :)
Quando entramos em contacto com a rocha.
É incrível o que eu sempre "fugi" desse cenário... a imagem de poder lá bater com a cabeça não me agradava, a ideia de cravar um espinho de ouriço do mar, no pé, também não era animadora. O problema é acontecer entrar num spot com um fundo desse tipo. A princípio, é aterrador, por baixo de nós tudo é escuro, por baixo de nós tudo é desconhecido, por cima de nós pairam a histórias de quem caíu em tal lugar e orgulhosamente ostenta marcas de uma "guerra" que agora o satisfaz, tanto pela sobrevivência a tal momento, como pela sorte de servir de experiência para novas "aventuras" e ainda pela ascenção ao título de "respeitado pala tribo de locais".
4ª feira, meio da semana, swell baixo de Oeste/Noroeste, ondulação fraca na Costa da Caparica... web-rastreiam-se os spots locais e o que está a funcionar é o fundo de rocha da Ericeria... hmmm... umas tantas chamadas e... "ok... algum dia tinha de ser... quanto mais não seja fico a ver como é".
Quem é que é capaz de dar uma viagem de 30Km como perdida e não por o pé na água nem que sejam pelos 10 minutos que aconteceram?
Áquela hora e estendendo os braços ao horizonte, ainda faltava palmo e meio para o disco laranja se "tchhhh...blublublu", na superfície prateada do horizonte. Entrei entre o spot de Pedra Branca e Reef, o que chamam de Backdoor. Estavam 2 "amigos" no line up... dirigi-me até eles (eram o meu ponto de referência) com as quilhas da prancha a raspar na rocha dura e com uma sensação de pavor mas cheio de "go for it!". À chegada ao line-up os 2 amiguinhos "hey... amiguinhos, onde vão vocês?", tinham-se ido embora que para eles já chegava. Apanhei a 1ª onda surfável que apareceu à frente e nem me lembrei que não surfava à um mês! Apenas me lembrei das regras todas e fiz tudo certinho, depois em pé na prancha segui em frente vendo o fundo rochoso a passar por baixo de mim... é aqui que a paixão nos atinge! Saí da água e nesse dia já não queria voltar a entrar tal foi a adrenalina do momento, por ter entrado, por ter feito uma onda, por não ter caído... achei uma sorte e não quis testá-la uma nova vez, no mesmo dia.
Sábado, manhã na Costa da Caparica. Já estava combinado voltar de tarde à Ericeira. De tarde lá fomos. O tal spot estava impraticável tão baixa que estava a ondulação. A partir de Ribeira D'ilhas remámos (10 minutos de remada) a uma ponta de rocha à direita onde quebrava uma ondinha, a "Pontinha". O cenário mais uma vez acaba por compensar todo o esforço e quando acontece o Take-off e olhamos em frente, quase nos equecemos de surfar, de tão pequenos nos sentimos, com uma escarpa de umas boas dezenas de metros que surge à nossa frente e pelo fundo de rocha que passa por baixo de nós. De maneira nehuma somos donos de tal lugar mas sentimo-nos parte do conjunto de elementos que o constituem.
Este é daqueles dias em que ostentamos um sorriso até que adormecemos, simplesmente porque sim!

2 comentários:

Carreira disse...

Criei um blogue de opinião que agora estou a divulgar.
Se tiver interesse, não deixe de fazer uma visita: http://www.cegueiralusa.blogspot.com/
Caso goste, por favor divulgue, pois pretende ser mais um espaço de discussão em busca de uma cidadania mais activa.
O meu muito obrigado.
Com os melhores cumprimentos,
José Carreira

Eva Luna disse...

... só para dizer que voltei... não sei por quanto tempo, mas agora estou cá! Já tinha saudades!